O que aprendi com os desafios do Instagram que participei

Uma das coisas que desde o final do ano passado eu tenho me aventurado, é a participar de desafios onlines propostos por pessoas que acompanho no Instagram. Eu vejo eles como uma forma de sair da zona de conforto e de interagir com as pessoas que sigo. E, claro, gerar conteúdo para o blog e para as redes sociais.

Participar desses desafios também faz com que eu me redescubra, que eu conheça mais as minhas peças (no caso das roupas) e que eu aprenda mais sobre os meus hábitos e gostos.


Essa semana em participei do meu terceiro desafio, sendo o segundo relacionado a moda. Ambos foram/são propostos pela Guid do Não Repete (@nãorepete) que lança os desafios para incentivar as pessoas a tentarem coisas novas, olhar o guarda-roupa com outros olhos, passar a usar as roupas que estão paradas ou que faz tempo que você não usa.

O tema dessa vez foi criar looks com "Peças essenciais" e desde segunda-feira (22/04) até ontem (26/04) eu apliquei, a minha maneira (teve alguns dias que substitui algumas peças), a proposta do desafio. E como essenciais a Guid pontou as peças: camiseta ou blusa branca, calça jeans ou preta, jaqueta jeans ou blazer preto e camisa branca ou jeans.


Outro desafio que participei foi o "Truques de estilo", sendo eles: barra dobrada, composição de acessórios, o charme do nó, crie com lenço e batom como acessório. Eu amei participar desse desafio, ainda mais porque tinha acabado de cortar o cabelo e estava me sentindo foda/maravilhosa/a deusa do Egito/última bolacha do pacote (hahahahah).

Na semana desse desafio eu também viajei para um congresso, em Juiz de Fora e o meu desafio pessoal foi aplicar cada tema em looks com um estilo mais social, devido o ambiente que estava, mas sem perder a minha identidade. Abaixo as fotos das produções.


E um desafio que fez eu sair 100% da minha zona de conforto foi um de finanças proposto pela Natália Arcuri, no final do ano passado, onde, além de executar o tema de cada dia, era preciso compartilhar no stories do instagram o que estava fazendo.

Nessa semana eu tive que diminui alguns gastos, como as taxas de cartão de crédito, vender itens que não usava (como roupas e livros), mandar uma mensagem de gratidão para uma pessoa que não tinha sido bacana com você em algum momento e se divertir com apenas R$20,00.

A partir desse desafio eu passei a conversar mais sobre dinheiro, a criar o hábito de toda semana ler ou assistir algum material sobre o assunto (antes era mais esporádico) e, o que me deixou mais feliz, foram as mensagens que recebi durante o desafio. Teve gente querendo saber mais sobre as taxas do banco, porque não sabiam que é possível ter isenção delas. Teve gente que me mandou áudio explicando mais sobre questões de acordo e parcelamento (informações que não sabia). E teve gente que se inspirou nas opções de renda extra que utilizei e que começaram a aplicar.

>>>>>>Veja também: Como foi ficar 1 ano sem comprar roupa<<<<<<<<

E com esse meu relato eu quero convidar, você, que está lendo esse post, a participar dos desafios online propostos pelas pessoas que você acompanha (há, e os que eu também for propor em!). Como citei no início do texto, eles servem pra gente se conhecer, aprender coisas novas e compartilhar com o próximo esses aprendizados.

No meu instagram (@gabiipsousa) tem as fotos dos desafios de moda explicando na legenda como que foi a escolha de cada look e fiz um destaque do desafio de finanças, pra quem tiver interesse em saber como que foi.

beijos, beijos

Sobre o 1º mês morando com o boy

Recentemente vi um vídeo que falava sobre mudanças, tanto internas quanto externas e ele me fez pensar na última grande mudança que eu tive, que foi ir morar com o Roberto. Era algo que desejava, mas não tinha noção de  como seria. E quando ele veio para cá, em agosto do ano passado, foi o início de uma nova vida, de aperfeiçoamento do nosso relacionamento, início de novos cuidados e de um novo olhar.

Uma das coisas que eu sou grata no meu relacionamento é que desde o início eu o Roberto fomos parceiros. Parceiros de ir trabalhar juntos, parceiros de Mc Donald's todo dia 1º do mês, parceiros de compras, parceiros de trabalho, parceiros de conversas aleatórias, parceiros de cervejas...


Não vou mentir dizendo que nunca brigamos, mas em sete anos de namoro tivemos uma única grande briga que foi em decorrência da nossa distância e de decisões que tive que tomar (naquele momento pensando mais em mim do que em nós). E, claro, que como todo casal de vez em quando a gente da umas discutidas de leve (só pra dar uma esquentada na relação hahahaha), mas que no dia seguinte já está tudo resolvido.

Mas hoje eu não quero falar só das coisas boas - que é o que prevalece, graças a Deus -, e, sim, compartilhar como que foi o nosso primeiro mês morando no mesmo teto, compartilhando todos os espaços da casa, tendo que falar de dinheiro (da casa e do pessoal) e como que foi se adaptar a uma nova realidade.

A nova mudança de vida fez com que eu aprendesse a parar de pensar só em mim (mesmo você dividindo casa com pessoas maravilhosas, sempre terá uma parte de você que será solidão) e começar a pensar em nós. Eu aprendi a falar mais baixo e sem agressividade (às vezes ainda sai, mas já consigo me policiar), aprendi que não devo ter vergonha de compartilhar as coisas, ainda mais se for relacionada a dinheiro, aprendi que quando se mora junto o famoso "ceder" se faz presente todos os dias e ai entra a capacidade do casal em alinhar o que cada um vai fazer, e aprendi que brigas bobas só prejudicam o nosso humor e desgastam a relação.



E quando alinhei, dentro de mim, todos essas questões parei de encher o saco com pouca coisa e os nossos dias e noites passaram a ser de muita risada, clima tranquilo e felicidade. Ah, algo que também aprendemos (sim, eu e o Roberto) foi a respeitar o espaço um do outro e sempre entrar em um consenso quando vamos fazer algo.

É gostoso, é diferente, é alegria. Principalmente quando você namora a distância e percebe que a partir daquele dia, quando vão morar juntos, que a casa não terá apenas a sua presença e sim a de vocês. E que aquele local não será só, mais uma casa, mas sim o seu lar.