Lugares pra visitar em São Paulo

Depois de sete anos morando em Ouro Preto, ir pra São Paulo se tornou sinônimo de ir à passeio, visitar a família e os amigos e não de "estou voltando para casa". No mês passado tirei 20 dias de férias e como havia um ano que não via a minha mãe e que não ia para SP, me programei para ficar 11 dias na capital paulista.

Como uma pessoa organizada que sou e que adora planejar viagens, montei um roteiro do que conhecer em São Paulo. Pesquisei exposições que estavam/estão em cartaz, pontos turísticos que nunca conheci e locais que valem a pena voltar a todo momento.


Quem me acompanha pelo instagram e youtube, sabe que estou na Jornada Sem Dívidas e que gastar (muito) não fazia parte dos planos e por isso, escolhi quais passeios ia gastar e quais gratuitos ia conhecer. São Paulo é uma cidade enorme, que funciona 24 horas e me faltaram dias (e um pouco de disposição haha) para conhecer tudo que queria. Mas os passeios que fiz foram ótimos, muito divertidos e que valeram muito a pena.

CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil
O Centro Cultural Banco do Brasil está presente em quatro capitais: São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília, e recebe diversas exposições em cada uma das suas unidades. Quando fui estava tendo a exposição "Vai e vem" que fala sobre a relação das redes de dormir e a identidade nacional do Brasil. 
A visitação é gratuita.

Igreja da Sé
Localizada no centro de São Paulo, a Catedral da Sé foi projetada por Maximilian Hehl  e foi construída para ser o espelho da fartura de nossos recursos materiais e uma escola de arte.
A visitação é gratuita.

Mosteiro de São Bento
Tem mais de 400 anos e ele sempre teve grande influência na cidade de São Paulo. O Mosteiro foi doado aos monges pela Câmara, em 1600, e depois do Pátio do Colégio é o prédio mais  importante da capital.
A visitação é gratuita

Theatro Municipal
O Theatro Municipal de São Paulo recebe diversos espetáculos e programas de formação em música e dança. Ele é uma instituição pública e a Fundação administra as escolas municipais de música e dança, e alguns dos mais importantes corpos artísticos do país, como a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, o Balé da Cidade de São Paulo e o Coral Paulistano. 
A visitação é gratuita, mas os ingressos precisam ser reservados no site da Evetim.



Andar pela Liberdade
Para quem gosta da cultura oriental, tem que conhecer o bairro da Liberdade. Confesso que ainda não fiz um passeio completo pelo bairro, mas já conheci a feirinha que tem aos domingos e como que é movimento no meio da semana. Quem também gosta de fazer compras, lá tem lojas para todos os estilos e gostos.

Livraria Cultura (da Paulista)
Eu nunca tinha ido na Livraria Cultura da Paulista e sempre quando via uma foto, falava mentalmente "eu tenho que ir conhecer". Ela é linda, grande, há pufs e poltronas espalhados pelo ambiente.

Itaú Cultural
Se você estiver na Paulista não deixe de ir no Itaú Cultural, ele recebe exposições (a próxima é do jornalista morto Vladimir Herzog), oficinas, espetáculos, palestras, entre outros. O Instituto Itaú Cultural foi criado em 1986 e tem o objetivo de mapear as manifestações artísticas e incentivar os segmentos culturais.
A visitação ao prédio e nas exposições são gratuitas. 

Centro Cultural Fiesp
E ai ainda na região da Paulista, tem o Centro Cultural Fiesp que abriga o Ciesp, o Senai-SP, o Sesi-SP e o Instituto Roberto Simonsen. Os visitantes podem conhecer a Livraria do Sesi-SP Editora, participar e visitar a programa cultural em cartaz. Em julho, durante as minhas férias, estava tendo uma exposição do Maurício de Souza (no dia estava muito cansada e a fila enorme para visitar) e também o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File), aonde era possível você interagir com os objetivos.
A visitação no Centro Cultural é gratuita.



Farol Santander
Se você quer ver São Paulo do alto, o Farol Santander é o local certo. Construído na década de 40 e inspirado no Empire State, o prédio é o antigo Banespa e durante a visita é possível conhecer a história do banco, como que ele foi construído, como que era a abertura de conta naquela época, como que eram os móveis, entre outros. O mirante do Farol fica no 26º andar, há vidros em toda a fachada (por segurança) e nele há indicações da onde ficam algumas região da cidade, como o Mosteiro de São Bento, Viaduto Santa Ifigênia e o Pico do Jaraguá. O Farol do Santander também abriga exposições do 25º ao 19º andar.
A visita é cobrada e paguei R$25. Estudantes, idosos e clientes Santander têm valores diferente.

O Museu Mais Doce do Mundo
Quando estava planejamento a viagem para São Paulo, o primeiro local que anotei para visitar foi O Museu Mais Doce do Mundo. Conheci ele pelo instagram da Bruna Vieira e fiquei encantada com a proposta. A missão do Museu é despertar a imaginação, cultivar a felicidade e promover boas memórias. Sim, você volta a ser criança durante a visita. As salas têm cheiro de doces, você tira muuitas fotos e em alguns ambientes tem degustação de doces. Ele ficou em São Paulo até o último domingo (18) e parte para uma temporada no Rio de Janeiro.
O ingresso custa R$60 (inteira) e R$30 (meia).

E QUANTO VOCÊ GASTOU, GABI?

Como  o meu lema das férias foi se divertir gastando pouco, durante a montagem da programação dos dias de passeios escolhi dois lugares que ia gastar para visitar, que foram o Farol Santander e O Museu Mais Doce do Mundo.

Também fiz uma projeção de quanto ia gastar com passagem dentro de São Paulo (uber, metrô, ônibus municipal e intermunicipal) e alimentação nos dias do passeio. Os gastos de passagem de volta (BH - Ouro Preto), ida e lanche no aeroporto também foram anotados e separados em envelope. O gasto total dos 11 dias foram R$303,90 e não precisei dinheiro da onde não tinha (ahahaha), pelo contrário, a minha mãe até me deu alguns trocados.

Viajar não precisa ser sinônimo de ter rios de dinheiro para gastar, da para planejar uma viagem com o recuso que você tem e se divertir bastante.

beijos, beijos

#Texto: Férias

Julho de 2019, primeira férias em quatro anos. Sim, depois que voltei da Colômbia (em 2015) entrei em dois estágios simultâneos, um deles se tornou fixo, mas como trabalhava como prestadora de serviço só pegava uma semana de folga no final do ano e voltada a trabalhar. Foram quatro anos intensos, de muita aprendizagem e que não me arrependo de só ter pego algumas folgas.
Mas 2018 chegou, houveram algumas mudanças no serviço, fui morar sozinha em Ouro Preto, Roberto veio pra cá, minha mãe passou as férias de julho em casa e quando chegou esse ano, me dei conta que já tinha um ano que não ia pra São Paulo.

Quando me dei conta percebi o quanto o ano passado foi intenso, o quanto eu estava embolada com as minhas finanças a ponto de não conseguir comprar as passagens pra ir pra casa da minha mãe e o quanto estava precisando de férias. O meu corpo e a minha mente estavam pedindo.


Pra mim, uma pessoa que é workaholick sair de férias foi preciso amadurecer a ideia e ter um plano do que iria fazer. Como estava morrendo de saudades da minha mãe, da minha irmã, das amigas, das tias e primas, não pensei duas vezes em ir pra SP. E foi a melhor coisa que fiz. Durante 10 dias pude descansar, ser uma turista na minha cidade natal, rever pessoas e ficar sem fazer nada. Estar longo de Ouro Preto também fez com que eu esquecesse os projetos e eventos que estão em andamento na Associação e que curtisse o meu momento de descanso.

Entrar de férias também fez com que alguns hábitos voltassem. A leitura se fez presente diariamente, tanto de livro quanto de revistas; a escrita também voltou a dar as caras (de forma mais espontânea) e junto dela a inspiração. E com o passar dos dias o corpo foi relaxando, os assuntos do trabalhando foram dando espaço para novas ideias e novos planos para o futuro.

Marcas trocam embalagens vazias por novos produtos

Quando um produto de beleza acaba, o que você faz com a embalagem dele? Muitas pessoas ao ouvir essa pergunta vão responder "jogo fora" ou "separo para a reciclagem". Mas você sabia que algumas marcas tem um sistema próprio de reciclagem e você tem a possibilidade e trocar por outros produtos? 

Eu sei, eu sei, esse é o sonho de qualquer pessoa que ama maquiagem e, sim, ele é real e no post de hoje trago algumas marcas que têm essa iniciativa e como que você pode trocar as embalagens vazias, por novos produtos.


Nos últimos anos o movimento em prol da sustabilidade vem aumentando e tanto marcas de cosméticos quanto de roupas, têm se preocupado com o seu processo de produção. O assunto reciclagem não é novo e o descarte correto das embalagens faz com que diminua o uso de matérias-primas de fontes naturais e, consequentemente, de lixo.

O plástico ainda é um dos vilões nesse processo de reciclagem e as marcas vêm compreendendo cada vez mais a importância de se pensar como será o descarte delas. De acordo com matéria publicada no site da Abre - Associação Brasileira de Embalagem, o desenvolvimento de novos materiais industriais, o resgate de embalagens retornáveis e o diálogo entre empresas e o poder público são apontados como potenciais soluções para o desperdício de recursos e o descarte indevido de resíduos na cadeia industrial.

Essa nova forma de pensar a reutilização das embalagens, além de contribuir com o meio ambiente faz com que o consumidor fique mais interessado por produtos que gerem menor impacto. E ao invés de ser um trabalho de uma única mão, acaba sendo de duas ajudando o Brasil a atingir a meta estipulada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, que é a de diminuir em 45%, até 2031, o lixo destinado a aterros sanitários.

Sim, esse é um trabalho de formiguinha, mas que já podemos ver grandes resultados e marcas engajadas nesse processo de reciclagem das suas embalagens. Abaixo reuni algumas que já possuem um sistema ou programa de reaproveitamento, como que a troca é feita e quais são os benefícios para os clientes.

Quem Disse, Berenice? 
Programa: Retorna Bere
São três passos onde é preciso juntar cinco embalagens vazias da marca, fazer o cadastro no site e levar o código gerado (e as embalagens vazias) em alguma das lojas e trocar por um batom.

O Boticário
Programa: Boti Recicla
Segunda a marca, o Boti Recicla é o maior programa de reciclagem de embalagens do Brasil e basta levar as embalagens vazias (de qualquer marca) em uma das lojas, que eles dão a destinação adequada.

MAC
Programa: Back to Mac
Quem usa os produtos da MAC basta juntar seis embalagens originas (plástico ou vidro) e levá-las em uma das lojas. Você pode trocar por um batom (exceto coleções ou embalagens especial e VIVA GLAM) de sua escolha.

The Beauty Box
Programa: Sustenta mais Beauty
Basta levar 5 embalagens vazias de qualquer produto vendido pela The Beauty Box, em uma das lojas e pronto, você ajuda no processo de reciclagem e ainda ganha um brinde.

Loccitane en Provence e Loccitane au Bresil 
Programa: Descarte e Reciclagem
A cada embalagem descarta você recebe um carimbo, somando cinco o cliente ganha um creme de mãos. As lojas participantes são:  São Paulo: Shopping Pátio Higienópolis, Shopping Ibirapuera, Shopping Metrô Santa Cruz, Shopping Villa Lopos, Shopping Pátio Paulista, Morumbi Shopping, Shopping Iguatemi São Paulo, Shopping Anália Franco, Shopping Piracicaba e Rua Oscar Freire  | Rio de Janeiro: Shopping Leblon e Barra Shopping | Brasília: Brasília Shopping | Paraná: Catuí Shopping Maringá | Rio Grande do Sul: Iguatemi Porto Alegre | Minas Gerais: Boulevard Shopping BH | Santa Catarina: Joinville Garden Shopping | Recife: Plaza Shopping Casa Forte

Simple organic
Programa: Eu Reciclo
Os clientes levam as embalagens vazias em uma das lojas (não achei a quantidade que precisa levar) e a marca destina elas para as cooperativas de reciclagem de cada cidade. As embalagens vazias são trocadas por um voucher de desconto. 

Entrei em contato via email com as marcas que mais uso e algumas respostas que recebi não foram animadoras. A Monange orientou encaminhar as embalagens vazias para a coleta seletiva, já a L'oreal, a Joico, a Inoar e a Skala não responderam. A Avon, retornou explicando que a marca participa do Programa "Dê a Mão Para o Futuro", que é coordenado pela ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos). De acordo com eles, o programa realiza ações de divulgação junto aos consumidores como instruções de como separar as embalagens e informações sobre os procedimentos a serem seguidos para a adequada devolução, de acordo com a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

Outra iniciativa é a Triciclo - Retorna Machine, que funciona a partir daquelas máquinas que tem em filme, onde você deposita a moeda (ou nota) e sai o refrigerante. O projeto recebe todos os tipos de embalagens, como PET, vidro e lata de alumínio e está presente (até o momento) só na cidade de São Paulo. As máquinas coletadoras estão espalhadas por locais públicos e privados e o consumidor ganha benefícios como bônus nas faturas de energia, recarga no bilhete único, desconto em livrarias, entre outros. De acordo com o site da marca, em uma ano de atividade as Retornas Machines já coletaram mais de 1.500.000 (um milhão e quintos mil) embalagens, que foram revertidas em milhares de benefícios sociais.

De pouquinho em pouquinho, nós, e as empresas vamos nos conscientizando sobre a importância da destinação do lixo que produzimos, ajudamos o planeta e melhoramos nossa qualidade de vida.

Agora me contam, o que acharam das iniciativas das marcas? Vocês costumam guardar as embalagens dos produtos quando terminam?

beijos, beijos