#Relacionamento: Escolhendo a aliança ideal


Eu sei que maio é o mês considerado das noivas, mas esse ano parece que todos os boys das amigas e colegas se reuniram e combinaram de fazer os pedidos de casamento na mesma época hahahaha. Brincadeiras à parte, o post de hoje vai falar sobre um elemento que simboliza o relacionamento e que é de desejo de muitas mulheres (pelo menos o meu), a aliança de compromisso.


Para quem ainda desconhece o significado da aliança, ela representa o compromisso firmado entre duas pessoas e simboliza a união e a eternidade (formato circular). Há cinco anos atrás, quando eu me mudei pra Minas, eu e o Roberto decidimos comprar uma aliança de namoro porque ela iria reforçar o que um sentia pelo outro e também foi uma forma de deixar claro que não ia ser a distância que iria atrapalhar o nosso relacionamento. Na época, escolhemos um modelo de aliança quadrada com uma pedra no meio.

Já a aliança e o anel de noivado foram escolhas do Roberto, eu já tinha enviado pra ele algumas referências do anel, mas a cartada final foi dele. E a cor da pedra ele escolheu na minha cor preferida, o azul.








Quem faz questão de usar uma aliança de compromisso, é importante analisar bem antes de comprar, qual o modelo, preço, tamanho e quanto pretende pagar. Outro ponto que não deve ser esquecido, são os cuidados. Evitar mexer lavar louça, roupa e louça com a aliança; não ter contato com produtos químicos abrasivos; no caso do anel de noivado, tomar cuidado para não enganchar em cobertas ou roupas; e tomar cuidado para não esparrar a mão em paredes, portas ou qualquer superfície que possa riscar o anel. 

Há, e claro que essas dicas também servem para outras joias. Os modelos dos anéis do post são da Lojas Rubis, eles possuem uma gama de modelos e formatos, e entregam para todo o Brasil. A minha aliança de compromisso comprei na loja física deles do Shopping Penha (SP).

beijos, beijos

#Livros: O Poder da Ação de Paulo Vieira


Sabe aquele livro que mexe com você desde a primeira palavra? Assim é O Poder da Ação, de Paulo Vieira. Confesso que foram mais de três meses para termina-lo. Por um lado, pela falta de tempo (ele era o livro das viagens) e por outro, porque não queria me desapegar dele.
 

O ponto do desapego, é porque durante os capítulos há vários exercícios a serem feitos. Sim, é um livro para rabiscar (sem dó) do início ao fim. A leitura é leve, os capítulos são divididos por subtemas e o que eu mais gostei (e também foi um dos motivos que me influenciou a compra-lo), é que em cada assunto tratado o Paulo faz com que você repense como que está a sua vida, como que está a sua performance (no pessoal e profissional), como que está o seu “eu” interior, como que você está se comunicando com os outros e o que está lhe impedindo de ter uma vida abundante.



O Poder da Ação também traz muitos exemplos reais de pessoas que mudaram o seu mindset e que, com isso, teve uma transformação mais que positiva em suas vidas.

E pra quem está precisando tirar os projetos do papel, pode investir nesse livro sem medo. Tem alguns momentos que ele “dá um tapa na cara” de quem está lendo, e a todo momento reforça que as mudanças partem nós mesmos e que pra mudar não apenas querer, é preciso ter atitude.

Quem já leu, o que achou?

beijos, beijos

#Moda: Acessórios para... homens

“Vixi, acho que entrei no blog errado. Gabi, o título do post não seria Acessórios para mulheres?” Eu sei, eu sei, quem acompanha o blog pode ter estranhado o título do post mas, sim, hoje ele é dedicado, primeiramente, para o público masculino (representa cerca de 30% dos leitores do blog) e também para o feminino. Porque afinal, nós mulheres que muitas vezes compramos tudo (tudo mesmo) para o boy.


Quem gosta de livros e filmes que retratam histórias do século XIX, sabe o quanto homens e mulheres eram, naquela época, vaidosos. E pesquisando sobre a moda masculina, para eles a forma de se vestir foi mudando a partir do momento que foram criados tipos de roupas como, para o trabalho, roupa vitoriana e para os esportes. Todas essas mudanças fizeram com que os homens passassem a usar cada vez mais trajes informais e a esconder os acessórios.

Chegamos no século XIX e o acessório voltou a ser usado pelo público masculino, sendo um deles as pulseiras. Elas foram usadas ao longo das décadas e dependendo do material é possível distinguir quais são as suas influências e de qual grupo os homens pertenciam. Por exemplo: as pulseiras de couro foram muito usadas pelos hippies dos anos 60, já nos anos 70 foi a vez das pulseiras de ouro e nos anos 80, tivemos a febre das pulseiras, também de couro, mas com tachas ou spikes (referência ao rock).

Com o passar dos anos esse acessório foi se transformando e hoje já encontramos pulseiras em diversos materiais (corda, tecido e metal), para serem usadas junto com o relógio, gravadas com alguma frase ou palavra, e as de esporte que vão desde as que calculam os passos dados até as que foram lançadas por algum atleta.



Uma coisa é fato, os homens estão mais vaidosos e se preocupando mais com que vestem. Como é para as mulheres, para eles os acessórios mesmo que delicados, como as pulseiras, retratam um estilo de vida, a personalidade e como que eles querem ser vistos.

Agora eu quero saber do público masculino, vocês usam acessórios (pulseiras, colares, anéis ou brincos)?

Há, os modelos da foto podem ser encontrados no site da Key Design. Eles possuem diversos itens, as compras podem ser feitas online e ele oferecem pontos no Dotz.

beijos, beijos

Links da Semana #3: Como você usa as mídias para se posicionar?


Início de mês e de semana é sempre igual, separamos um tempo para organizar os compromissos dos próximos dias, “ticar” o que foi conquistado e traçar novas metas. Esse pequeno período também ótimo para colocar a leitura em dia e descobrir textos inspiradores, e hoje trago pra vocês alguns links que valem a pena ser compartilhados.



Sobre a pressão – dos outros – em estarmos sempre impecáveis, vídeo gravado pela Vic Ceridono do Dia de Beauté. 


A Renner lançou uma coleção de roupas que preza pela sustentabilidade. As meninas do Modefica, fizeram um post questionando essa tal sustentabilidade (não só da marca, mas da cadeia produtiva). 


beijos, beijos