Sobre superar medos | Encontro Mulheres de Vena

Depois que entrei na Associação Comercial passei a conhecer e a entender como que funciona uma empresa, como que os empresários se comportam, quais são os desafios, quais são os suportes que eles precisam e quais são as particularidades das empresas e empresários de Ouro Preto.

Nesse período, trabalhei 18 meses com um único projeto o Programa Empreender, onde coordenada 10 núcleos setoriais. Conheci um pouco das dores de cada seguimento, a trajetória dos empresários e constatei que quando se fala da mulher empresaria, os desafios são ainda maiores, muitas não se reconhecem empresaria e que falta na região ações voltadas para elas.

Desde então eu comecei um trabalho com um Núcleo das Mulheres Empreendedoras na ACEOP e fui me aproximando de negócios que são gerenciados por mulheres. Sim, não é fácil é empreender, mas se você se aproxima de pessoas que querem crescer junto com você, o caminho fica muito mais fácil.



Esse ano eu entrei em um grupo de mulheres daqui de Ouro Preto que se chama Mulheres de Vena. Ele é coordenado por três mulheres, Lucimara Mendonça, Renata Padula e Alessandra Maria, que criaram o grupo pra trabalhar com três pilares: Liderança, Marketing e Finanças.

No domingo (5) elas promoveram o 1º Encontro da Mulher Empreendedora na cidade. Foi incrível, foi um dia inteiro de aprendizagem, foi um dia pra compartilhar experiências, fazer networking e superar os medos.

E é sobre esses medos que quero falar. Eu sempre ouvi a frase "o não você já tem" quando ia fazer ou pedir algo, mas, pra mim, ela fez muito mais sentido nas duas últimas semanas, porque eu não tinha dinheiro pra pagar o evento, queria muito participar, e enviei uma mensagem pra uma das organizadoras explicando a minha situação e OFERECENDO A MINHA Mão DE OBRA como pagamento. Na mensagem eu também propus fazer um teaser (que não foi preciso porque já tinha uma pessoa responsável) e várias outras coisas. E adivinhem a resposta? "Claro Gabe e depois alinhamos o que você irá fazer no evento".

Sim, antes de mandar a mensagem pensei uma, duas, três vezes se devia. Venci o medo e pude participar desse encontro. E fiquei pensando quantas oportunidades não perdemos por medo do não (que já temos) e mesmo assim ficamos com o medo de ir atrás do sim.




Ter esse ato de coragem me trouxe outros desafios, que foi fazer parte do grupo de expositoras (tive uma mesa só pra mim), ter que pensar em um serviço para oferecer pra outra mulher e fazer uma apresentação de 1 minuto sobre o meu trabalho (nesse caso com o blog).

Como resultado desse medo, o brinde que ofereci foi uma sessão de 3 horas de branstorming sobre criação de blogs e um ebook com 5 passos para criar um blog, para todas as participantes. O medo também fez com que eu mandasse embora toda a insegurança que poderia sentir e falar sem ter vergonha que sou blogueira e amo esse universo.

No final, o medo se tornou o meu aliado e fez com que eu me superasse. E todo esse relato é pra reforçar que "se tiver medo, vai com medo mesmo" e que toda vez que você sentir esse sentimento, você transforme ele em um gás pra poder ir além.

beijos, beijos