Mulheres (da minha vida) que me inspiram


Quem me conhece sabe que eu escolhi ficar em Ouro Preto e trabalhar com algo que não tem o jornalismo em primeiro plano (já a “comunicação” é algo constante no meu dia a dia). No início foi um pouco assustador (ainda mais porque é um público que nunca tinha trabalhado, empresários), mas com o passar dos meses fui entendo melhor minha função e acabei me apaixonado pelo que faço.

Fazendo um breve resumo, trabalho com núcleos setoriais onde as empresas de cada ramo se reúnem para levantar ações de fomento do setor. Um desses núcleos é o da Mulher Empreendedora que, coincidentemente, faz um ano de criação amanhã, dia 9. Um dos motivos que levou a criação dele foi por ter observado que dentro da Associação Comercial e Empresarial de Ouro Preto (aonde trabalho), há muitas mulheres empresárias (donas) ou que estão na gestão de algum negócio e que não se reconhecem 100% como tal. Hoje, o objetivo do núcleo é mudar essa realidade em Ouro Preto através de encontros com outras lideranças femininas, missões empresariais e diversas capacitações.

E devido ao meu trabalho e do que leio em revistas, sites e blogs sobre o empoderamento feminino, me peguei pensando: “Porque buscamos inspiração em celebridades, mulheres que estão no poder (política) ou que estão a quilômetros e quilômetros de nós, se ao nosso redor convivemos com grandes mulheres?”. Bizarro, né? Mas é verdade. Muitas vezes acabamos nem percebendo quem está a nossa volta.

Por conta desse questionamento quero compartilhar três mulheres do meu dia a dia que me inspiram a ser uma pessoa melhor e não desistir dos meus sonhos.


Impossível não colocar em primeiro lugar a mulher que me gerou e que fez (e continua fazendo) tudo por mim. Dona Zilma saiu de uma cidadezinha de Minas e foi morar em SP, trabalha a mais de 20 anos como vendedora e criou sozinha (depois do divórcio) minha irmã e eu.

Uma das características mais fortes que ela me passou, foi a força para enfrentar as dificuldades e sempre acreditar que Deus tem o melhor para mim. Mami é aquela mulher que tira do seu para dar para os outros, é a primeira a vibrar com as minhas conquistas e que, independente da distância, me ensina a cada dia a não desistir (mesmo quando tudo está um caos).


A segunda mulher que me inspira é a minha girl boss, Ercília Lima, que nos dois anos que trabalho na Associação Comercial se tornou uma amiga e minha segunda família (com irmãs e tudo). Ela foi uma das coisas boas que morar sozinha me proporcionou (contei mais nesse vídeo).

Ercília é aquela mulher que se preocupa com o seu bem-estar (desde financeiro até se a luz na sua casa voltou), te aconselha e a todo momento está te incentivando a buscar algo novo e a ir desbravar esse mundo. Ela tem uma bagagem gigantesca e um coração maior ainda. No quesito profissional, Ercília é uma das minhas inspirações devido a sua trajetória, a forma com que lidera, como lida com as situações do dia a dia e também por causa das suas percepções na hora de organizar/planejar uma atividade ou evento.


Maria Augusta Gabriela Vilela Tavares, ou simplesmente Magu, foi um presente que a universidade me deu e é a terceira mulher que me inspira por conta da sua força interna para lidar com situações que desestabilizariam qualquer um; pela sua garra em ir até o fim para conquistas seus sonhos e também pelo jeito moleca, que faz com que ela leve a vida de uma forma leve.

Magu é o tipo de pessoa que sempre está disposta a te ajudar e que a todo momento te encoraja a buscar um emprego novo, a ir estudar e a buscar novas formas de concluir seus objetivos. Há, ela também é uma ótima companheira de viagem.



Minha mãe, Ercília e Magu são mulheres que, para mim, representam um pouco de cada mulher que eu convívio e que fazem parte da minha vida. Amigas de longa data, não fiquem com ciúmes ou tristes por não ser o nome de vocês citado nesse texto, mas cada uma sabe a importância e a diferença, como mulher, que tem na minha vida.

Agora eu te pergunto: “Quais são as mulheres do seu convívio que te inspiram?”

beijos, beijos

Um comentário:

  1. Amei, Gabi. Realmente a gente foca tanto em se inspirar nas mulheres que estão distantes que esquecemos que temos mulheres maravilhosas ao nosso lado. E posso contar um segredo? A gente conhece muito mais o interior dessas mulheres próximas, né? <3
    Eu amei o seu post. Ficou maravilhoso.

    Beijos da Manu.
    Coisas do Tempo

    ResponderExcluir